(12) 9.9666-2753

Como melhorar a memória de trabalho dos alunos

15 de setembro de 2016 //

Seu aluno tem dificuldades para manter uma certa quantidade de informações em foco, assim como trabalhar com essa informação? Se a resposta for sim, ele pode ter dificuldades em relação à memória de trabalho.

Esse tipo de memória conserva por alguns segundos as informações dos elementos acessíveis e úteis a uma determinada atividade. Além disso, a memória de trabalho é necessária para realizar tarefas cognitivas, tais como estabelecer uma relação entre dois assuntos, fazer cálculos apenas com a mente e estabelecer uma ordem de prioridade entre várias tarefas.

De acordo com a psicopedagoga e especialista em jogos Lilia Maíse de Jorge, a memória de trabalho não deixa arquivos armazenados permanentemente.

“A memória de trabalho é utilizada para recordar palavras lidas há pouco tempo de forma a permitir a compreensão do resto da frase”, explica a especialista.

Lilia Maíse revelou algumas estratégias comprovadas cientificamente que melhoram a capacidade da memória de trabalho dos alunos. No ambiente educacional, os professores podem utilizar cinco estratégias para ensinar melhor. Confira:

Estabelecer relações entre novos conteúdos e aprendizados anteriores faz com que o caminho daquela informação seja percorrido novamente (evocação), tornando mais fácil seu reconhecimento.

Criar elaborações mentais envolvendo recursos como sons, imagens, fantasias, significados e (por que não?) humor permite que várias áreas do cérebro trabalhem simultaneamente no resgate de informações, e estimula a memória.

Utilizar gráficos, diagramas, tabelas e organogramas para classificar as informações faz com que o cérebro tenha mais facilidade para armazená-las e, portanto, resgata-as com mais facilidade.

Reservar os últimos minutos da aula para conversar sobre o conteúdo estudado possibilita que o novo conhecimento percorra mais uma vez o caminho no cérebro dos estudantes.  Assim, eles fazem uma releitura do que aprenderam.

Usar brincadeiras, dramatizações ou jogos para levar emoção à classe favorece a aprendizagem. Isso só funciona se houver relação entre o conteúdo e a situação lúdica.

Embora seja limitada, a memória de trabalho é o fio condutor do conhecimento e, quanto mais o aprendizado se distancia do decoreba, mais é utilizada.

Por Bárbara Rocha, Comunicação SUPERA

Contato

Envie sua mensagem pelo formulário de contato ou através do telefone e rede sociais:

PrivadaPublica